Conheça o conector pequeno e transparente que garante a qualidade da infraestrutura e favorece a qualidade do acesso em banda larga fixa

O Brasil tinha 29,3 milhões de acessos em banda larga em fevereiro desse ano segundo o site especializado Teleco. Apesar de a fibra óptica e da telefonia móvel continuarem avançando, a tecnologia predominante ainda é o DSL (Digital Subscriber Line), sigla em inglês para linha digital do assinante. E o DSL funciona usando as redes metálicas tradicionais de telecomunicações, ou seja, aquelas de pares trançados de cobre. Elas respondem por nada menos do que 44,5% dos acessos de banda larga no país. Dentro dessa infraestrutura existe um pequeno dispositivo que tem ajudado a manter a rede operacional e a internet de qualidade. Estamos falando do conector linear.

Como o próprio nome diz, os conectores lineares são utilizados para emendar, na linguagem técnica, os pares metálicos. E por que eles são usados? “É essencial mantermos as emendas e conexões de cabos metálicos íntegras e desprovidas de enferrujamentos e crostas de oxidações. Estas ferrugens e crostas prejudicam o tráfego dos sinais e, por consequência, a transmissão de voz e dados”, resume Ryosuke Sugaye, engenheiro de materiais da área de Suporte Técnico da Redex.

Quem usa os conectores lineares?

Ele destaca que a resposta técnica da indústria para manter as conexões livres de problemas foi o desenvolvimento de conectores à prova de erros, do tipo plug and play. É o caso do UY4C, distribuído pela Redex. Projetado para uma emenda rápida e visível, ele é fabricado de plástico transparente, o que permite que o técnico em campo veja se a emenda dos pares metálicos foram realizadas corretamente. E mais: o dispositivo pode ser removido e trocado com a mesma rapidez e precisão.

Qualquer operadora ou provedor regional é potencial usuário do UY4C. Vamos lembrar que os cabos metálicos são adotados para a instalação de rede em pequenas localidades e agrupamentos de clientes potenciais bem pequenos, nos quais a viabilidade de instalar cabos ópticos não é interessante ou rentável. No caso das grandes operadoras, a demanda é alta em função delas deterem vários quilômetros de redes de cobre, ativo que deve ser mantido por um bom tempo.

Segundo Ryosuke, os conectores lineares são classificados como impregnados ou secos, diretos ou múltiplos paralelos. Os impregnados são utilizados em redes aéreas, onde os cabos metálicos não recebem proteções de ar comprimido (pressurização de cabos) para garantir sua integridade. Já os conectores secos são largamente utilizados em emendas de cabos subterrâneos onde há a presença de ar comprimido super seco que garantem a integridade das emendas.

Aplicação em campo é fácil, mas exige atenção

Os conectores operam em pares, ou seja, podem ser agregados a outros produtos para que possam ser poupados e que tenham sua vida útil preservada. Lembrando que no caso da rede subterrânea não se pode apenas emendar os pares e deixá-los dentro das caixas subterrâneas e expostos às inundações, contato direto à água com solventes, combustíveis, ar úmido, terra e outros ofensores.

Para que os conectores possam ser abrigados, as práticas de instalação e manutenção demandam o uso de emendas protetoras (emendas termocontráteis ou mecânicas). Esses conjuntos termocontráteis são responsáveis por abrigarem as emendas de cabos metálicos pressurizados (ou não), de alta capacidade e subterrâneos. Já para o uso em redes aéreas há caixas de emenda específicas.

Como não errar na hora de ativar o conector linear

O uso do UY4C é simples e direto, minimizando aplicações erradas. Para que essa “excelência” fosse atingida, melhorias progressivas e significativas sempre foram implementadas: guias de fios, sistemas anti-vibratórios, travamento de tampas, consistência de gel, quantidade de gel (no caso dos impregnados), tratamento dos contatos metálicos dentre outros.

A leitura dos procedimentos dos manuais é outro recurso óbvio, mas que tem sido negligenciado. Para as empresas contratadas, a orientação é seguir as diretivas da operadora. “Sabemos que as grandes operadoras recomendam o uso de ferramentas específicas para a aplicação do conector”, lembra Ryosuke. “A não observação dessas informações causa falhas de aplicações ou erros que prejudicam seriamente o desempenho do material na rede e reduzem sua vida útil!”, finaliza.

Atenção: além de conhecer a fundo as redes externas de telecomunicações, a Redex tem um portfólio completo para instalação de conectores lineares e produtos afins. Consulte-nos para saber mais.

Gostaria de receber nossas novidades no seu e-mail?