Crescimento da infraestrutura de acesso deve ampliar compra integrada de dispositivos para implantar, testar e realizar manutenção na infraestrutura das operadoras

A demanda por banda larga continua aquecida no Brasil, mas exige uma operação enxuta nas empresas que realizam a instalação e manutenção de redes. De olho nesse cenário, a Redex Telecom aposta em sua experiência para oferecer pacotes de equipamentos e serviços adequados a cada tipo de cliente. A empresa vai apresentar – durante a Netcom 2017 – sugestões de combos que envolvem máquinas de fusão, OTDRs e componentes, incluindo cabos de manobra (patch cords) e dispositivos de limpeza e inspeção, entre outros.

Com o tema Rede de Ponta a Ponta na Velocidade da Luz, a empresa montou um estande interativo, incluindo demonstrações de emendas de fibra óptica, utilizando as linhas de equipamentos já comercializados e a nova família XFiberS, marca americana de quem é o distribuidor oficial no Brasil. A linha inclui máquinas de fusão e OTDRs, sendo esses últimos a grande aposta para o mercado de provedores regionais (ISPs).

A Redex também participa do congresso técnico que acontece em paralelo à feira. Ana Cláudia de Araújo Leite, coordenadora do Departamento de Suporte ao Cliente (DSC) vai falar sobre Melhores Práticas no uso de Equipamentos e Instrumentos de Instalação de Redes Ópticas, que acontece no dia 17, quinta-feira, às 16h45, no auditório Santana 3.

Veja abaixo, alguns dos equipamentos e dispositivos que podem ser combinados na instalação de redes ópticas e que estão sendo mostrados com exclusividade na Netcom 2017:

  1. Máquinas de fusão XFiberS – os equipamentos da marca americana foram projetadas com tecnologia de processamento de imagem de alta velocidade e de posicionamento de precisão especial. Os equipamentos finalizam automaticamente todo o processo de fusão de fibra em até 10 segundos, exibindo todas as etapas no monitor LCD. Com alinhamento núcleo-a-núcleo e tecnologia PAS (Profile Alignment System), a família está disponível em cinco modelos.
  2. OTDRs Série XFiberS – os reflectômetros ópticos da série XFS fazem parte de uma nova geração de equipamentos inteligentes de medição para sistemas de comunicação óptica. São compactos, econômico e de desempenho excepcional, fabricados seguindo normas rigorosas, eles foram submetidos a testes mecânicos, eletrônicos e ópticos. Em função de terem sido projetados para trabalhar em ambientes adversos, os OTDRs dessa série possuem nível de proteção IP65, leve, de fácil operação, LCD de baixa reflexão. Com autonomia de mais de 12 horas de trabalho contínuo, eles são ideais  para diversas aplicações de campo. Modelos a partir de 26 dB de range dinâmico.
  3. Splitter óptico – permitem tanto a divisão quanto a combinação de sinais passivos da rede óptica, com emendas tipo difusão planar, conectorizados ou não-conectorizados. Os splitters Redex, homologados pela Anatel, apresentam baixos níveis de perdas, grande variedade de modelos (PLC 1 x N ou PLC 2 x N conectorizados ou não) e alta estabilidade térmica e mecânica. São testados conforme normas internacionais e certificados por várias empresas de telecomunicações.
  4. Cordões ópticos – utilizados em ambientes internos para a interligação entre equipamentos passivos e ativos ópticos, eles podem ser simplex ou duplex, com fibras monomodo ou multimodo, protegidas por um revestimento externo em material polimérico retardante à chama. Possuem conectores em ambas as extremidades, podendo ser similares ou não. A personalização – comprimento sob medida – é uma característica especial dos produtos fabricados pela Redex, com homologação da Anatel.
  5. Conectores de campo SC/APC-PC – permitem a conexão – via conectorização – de fibras de campo, de forma mecânica, dos modelos low friction indoor ou outdoor e cabos figura 8 em caixas de terminação, emenda ou passagens conectorizadas. Totalmente compatíveis com os materiais já existentes na rede, são de fácil operação e desconectorização e não necessitam de ferramentas específicas. Homologados pela Anatel, permitem a rápida conectorização dos cabos de campo e caixas de emenda, terminação ou passagem.
  6. Caixa de emenda óptica CEOD-DIST3 – homologada pela Anatel, tem base com uma entrada oval, três saídas cilíndricas, de uma até quatro bandejas de acomodação para fusão de fibras, anel de travamento mecânico e domo cilíndrico. Permite a aplicação de cabos aéreos ou subterrâneos de até 48 fibras. É feita com material em polímeros totalmente compatíveis com a rede existente, de fácil instalação e operação. Permite acomodar até quatro bandejas de 12FO.
  7. Caixa de emenda óptica CEOS-DIST4 – tem base com uma entrada oval, quatro saídas cilíndricas, de uma até quatro bandejas de acomodação para fusão de fibras, anel de travamento mecânico e domo cilíndrico. Permite emenda direta/derivações e sangrias de cabos ópticos aéreos e subterrâneos. Com capacidade máxima de entrada para cabos de144 fibras e capacidade de saída para cabos de até 72 fibras, é um produto homologado pela Anatel.

Caixa de terminação óptica até 16FO-CTO – permite a interconexão entre cabos ópticos de distribuição com cabos ópticos de derivação ou de rede de assinantes (cabo drop). Pode ser instalada em vias aéreas (postes verticalmente ou horizontalmente em cordoalhas) ou galerias subterrâneas (diretamente em parede ou sob estrutura de suporte de cabos telefônicos). É composta por tampa, base e bandejas articuladas. Compacta com capacidade de até 16 assinantes via conectores de campo. Suporta até 3 splitters PLCs, totalizando 16 conexões. Aceita até 16 fusões com remontes e sistema de tranca dedicada para evitar acessos indevidos. Classe de isolação IP 65. Fornecida nas cores preta, branca, amarela, azul, verde, cinza e grená.

 

Informações para Imprensa

Miriam Leite
(11) 9 7685-3063
www.canaris.com.br
skype: miriam.leite.canaris

Gostaria de receber nossas novidades no seu e-mail?